Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

O endocrinologista Mário Carra tira dúvidas sobre o tema e orienta as mudanças de hábitos necessárias

A obesidade infantil está se tornando um problema de saúde pública, de acordo com dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009), um terço das crianças brasileiras estão acima do peso considerado ideal. “A obesidade infantil é uma doença multifatorial, que envolve a carga genética e também os hábitos de vida, como alimentação, atividade física e sono”, explica o endocrinologista Mário Carra, presidente da Associação Brasileira para Estudos sobre Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso).

Para conscientizar os pais e tirar as dúvidas de nossos leitores sobre esse tema, O Minha Vida ao Vivo abordou essa tema, com a presença do endocrinologista Mário Carra, para entender melhor quais são as causas. Depois, a conversa continuou em um chat, com perguntas dos internautas.

Se você perdeu, confira os melhores momentos do chat a seguir:

Marlene: Como uma pessoa que nasceu com baixo peso se tornar um adulto obeso?

Dr. Mario Carra: Primeiro, não são todas as crianças nascidas com baixo peso que vão se tornar obesas e ter excesso de peso. No entanto, em uma grande parte deles, o baixo peso modifica o que chamamos de expressão genética. Ou seja: os genes mudam o padrão de comportamento alimentar e principalmente composição do tecido gorduroso. É como se o baixo peso ao nascer fizesse com que um gene adormecido, responsável pelo aumento da obesidade, comece a funcionar.

Regiane: Para somar saúde ao futuro dos meus filhos devo ter uma boa alimentação somente durante a gravidez e amamentação?

Amamentação - Foto: Getty Images
Boa alimentação é importante não só na amamentação, mas durante toda a vida

Dr. Mario Carra: Olá, Regiane, a boa alimentação deve ser para a vida toda, aproveite a gestação e aproveite para comer bem durante a vida toda porque isso irá fazer bem para você e seus filhos.

Andreia: O que causa no gordura no fígado de uma criança de nove anos?

Dr. Mario Carra: É apenas alimentação, excesso de peso e pode ser um indicativo de que a criança vai ter uma doença metabólica, então é preciso tomar cuidado com a alimentação dele.

Elaine: Meu filho tem quatro anos e o colesterol está elevado. O que fazer, se ele fica o dia todo na escola?

Dr. Mario Carra: Olá Elaine, primeiro precisa ver se o colesterol está aumentado pelo excesso de peso ou se é uma doença. Você tem que começar a controlar a quantidade de calorias que o seu filho come e vale uma conversa com a escola para ver como eles podem colaborar com isso, a escola só precisa saber que seu filho não está comendo adequadamente.

Carla: Tenho um filho de quatro anos que não come verduras e nem tão pouco legumes, como ajuda-lo a ter uma alimentação melhor?

Criança que não quer comer - Foto: Getty Images
Refeições em família ajudam a criança a comer melhor, seguindo o exemplo dos pais

Dr. Mario Carra: Olá, Carla, primeiro você tem que estabelecer que a hora de comer é no café, almoço, jantar e refeições intermediárias, isso tem que ser feito em família para um copiar o modelo do outro. Façam ao menos uma refeição juntos. Se a criança não quiser a refeição oferecida, tem que explicar que a comida que ela quer não é saudável. Tem que ter uma rotina de alimentos mais ou menos parecidos, mas não iguais.

Amanda: Minha filha tem dois anos e meio e esta bem acima do peso. Ela é muito gulosa, gostaria de saber como controlar isso, devido a sua pouca idade?

Dr. Mario Carra: Primeiro é preciso levar a criança no pediatra para saber se ela realmente tem excesso de peso ou não. Se tiver excesso de peso tem que estudar qual é o padrão alimentar e o que estão oferecendo para esta criança de dois anos e meio comer. Sempre lembrar que não adianta brigar, obrigar, impor, tem que ser muito light com criança.

Izaura: É saudável almoçar e jantar assistindo TV?

Dr. Mario Carra: Não é bom por vários motivos. Ao comer vendo TV você não presta atenção no que está comendo e com isso perde o prazer de comer algo gostoso. Quando faz refeição com outras pessoas, você tem diálogo, que é muito saudável, o que acaba quando você ver TV.

Luciana: Beber enquanto come engorda mesmo?

Criança bebendo suco - Foto: Getty Images
Beber durante a refeição favorece ganho de peso quando a bebida é calórica

Dr. Mario Carra: Não tem muito a ver. A não ser que seja suco de fruta ou refrigerante regular. A ingestão de líquido vai interferir no gosto da comida, podendo confundir o sabor.

Regiane: Minha filha de nove anos não gosta de se alimentar durante o dia e a noite come bastante, o que devo fazer?

Dr. Mario Carra: Primeiro temos que entender porque ela faz isso! Será que ingerir esses alimentos a noite é mais agradável por ter companhia? Ou a comida da noite é melhor que a do almoço? É preciso entender qual o mecanismo. Uma vez entendido, tem que regredir o hábito lentamente. Pode até ser uma doença, mas não me parece isso.

Ana Paula: Meu filho tem oito anos e faz natação uma vez por semana, qual outra atividade o ajudaria a eliminar peso?

Dr. Mario Carra: Primeiro, vamos chamar atenção para o fato de que não é possível confiar no exercício como fator para reduzir peso, temos que sempre fazer uma correção alimentar. Exercícios podem ser qualquer um normal pra idade: andar de bicicleta, correr, jogar futebol, judô (que é defesa, não é ataque).

Para entender melhor como combater a obesidade infantil e receber dicas práticas para prevenir ou tratar o problema, cadastre-se no Programa de Combate à Obesidade Infantil do site Minha Vida e receba nossos e-mails.

FONTE: http://www.minhavida.com.br

Comentários