Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

O estudo utiliza um fungo que se alimenta da praga que enfraquece a raiz das plantas

 

No lugar da plantação, uma área devastada. O produtor Samuel Valente perdeu 20% da produção de goiaba por causa do ataque de vermes. O fruto não cresce, fica duro e sem valor comercial. Muitas goiabeiras não resistem. “Aproximadamente uns 100 pés foram erradicados mesmo e estamos trabalhando o resto aqui”.

Clique aqui e veja o vídeo desta reportagem

O agrônomo e professor da UFV, Leandro Grassi de Freitas explica que a praga conhecida como Nematoide enfraquece a raiz da planta. “Existem umas pragas de solo chamadas nematoides que penetram nas raízes e impedem que a planta se alimente normalmente. Alguns deles são tão agressivos que chegam a interromper o fluxo de alimento para a planta e matam as raízes”.

Há 8 anos, uma empresa incubada no Centro Tecnológico de Viçosa desenvolve um produto natural a base de fungo para conter a praga. O processo de produção tem o arroz como ingrediente fundamental. É dele que o fungo se alimenta e é nele que se desenvolve. Quando pronto é aplicado na copa da planta. De acordo com Leandro Grassi de Freitas, em contato com a água, o fungo penetra na terra, germina e mata os ovos do verme causador da doença. “Os produtos biológicos vêm tomando um lugar importante na agricultura para o controle de vários tipos de doenças de plantas. Eles vêm preencher uma lacuna existente com a retirada dos agrotóxicos mais poluentes e prejudiciais à saúde”.

A produção do Geraldo Vítor Teixeira Filho foi a primeira a receber o tratamento. Ele percebeu que algumas plantas não se desenvolviam mais aí constatou a presença da praga. A princípio não tinha como prever o resultado da aplicação do fungo. Um ano depois, a surpresa. As plantas já apresentavam raízes sem a praga. “Essa planta está, aparentemente, reagindo bem. A gente já começa a perceber a emissão de raízes novas, sem a presença do nematoide, o que nos tem dado uma grande esperança de continuarmos na nossa atividade”.
fonte: megaminas

Deixe uma resposta

Comentários