Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

epamig

Sistema de caixas que associa os processos de decantação e peneiramento tem custo a partir de R$ 2 mil FOTO DIVULGAÇÃO EPAMIG

Sistema de baixo custo e fácil instalação é capaz de reaproveitar 40% do líquido utilizado na lavagem dos grãos

Divulgação/Epamig
Sistema de caixas que associa os processos de decantação e peneiramento tem custo a partir de R$ 2 mil

A possibilidade de reaproveitar na irrigação da lavoura 40% da água utilizada na lavagem e no descascamento dos frutos do café foi um dos destaques da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) durante a 86ª Semana do Fazendeiro de Viçosa.

De baixo custo, estimado em R$ 2 mil, e fácil instalação, a técnica é acessível aos agricultores familiares e contribui para o combate ao desperdício de água.O sistema padrão tem capacidade para processar cerca de dez mil litros de água por vez.

Para possibilitar esse reaproveitamento é preciso que parte dos resíduos que essa água agrega durante a lavagem do café seja removida. Isso pode ser feito pelo Sistema de Limpeza de Águas Residuárias (SLAR), desenvolvido em parceria pela Epamig, Embrapa Café e o Incaper – grupo deinstituições fundadoras do Consórcio Pesquisa Café.

Constituído de caixas e peneiras que associam os processos de decantação e peneiramento, o SLAR permite que, à medida que a água vai sendo reutilizada, a quantidade de nutrientes, absorvidos do café, seja elevada.

Com a técnica, o agricultor poderá reaproveitar a água. Depois de utilizada na lavagem e no descascamento dos frutos do café, ela pode servir na irrigação de lavouras, suprindo parte da necessidade para o desenvolvimento de culturas e também diminuindo os custos com aplicação de fertilizantes.

A eficácia dessa tecnologia foi comprovada pelo projeto ‘Aproveitamento da Água Residuária do Café’, liderado pelo pesquisador Sammy Fernandes, da Embrapa Café, cedido à Epamig.

Clínica tecnológica

O Sistema de Limpeza de Águas Residuárias (SLAR) foi apresentado para um público de produtores rurais, representantes de sindicatos dos produtores, associações, cooperativas, estudantes de zootecnia, engenheiros agrônomos e veterináriosdurante a Clínica Tecnológica, atividade que apresentou novas tecnologias para atender às necessidades dos participantes da Semana do Fazendeiro.

Na palestra ‘Como minimizar o gasto de água no processamento de café cereja descascado’,o pesquisador Sammy Fernandes destacou que a instalação do sistema é fácil e de baixo custo. “Os gastos são pequenos e acessíveis aos agricultores familiares. A unidade mais básica sai em torno de R$2 mil”.

Presença do Estado

A Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) esteve presente na 86ª Semana do Fazendeiro com um estande e as principais ações de suas empresas vinculadas, como o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), além da Epamig.

Ao todo, a Emater e IMA ofereceram 39 cursos destinados aos agricultores durante o evento, em diversas áreas, como cafeicultura, bovinocultura, horticultura, produção agrícola sustentável, conservação do solo e água, produção de cachaça, processamento artesanal de alimentos, produtos de origem animal, rotulagem, agrotóxicos e até artesanato.

Semana do Fazendeiro

A Semana do Fazendeiro é o maior e mais tradicional evento de extensão realizado pela Universidade Federal de Viçosa. Nesta edição de 2015 abordou o tema “Campo e cidade: diálogo para um futuro sustentável”. com o intuito de problematizar a relação entre a produção agrícola e o padrão de utilização de recursos nas cidades.

FONTE AGÊNCIA MINAS

Comentários