Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+
Os produtores de milho na região de Viçosa produzem, em média, 55 toneladas por hectare, segundo dados históricos da Secretaria Municipal de Agropecuária de Desenvolvimento Rural. Neste mês, a pasta foi surpreendida com o resultado de uma produção da região do Cascalho, onde o agricultor bateu recorde ao colher 72 toneladas por hectare.
Henrique José de Faria, 33, é advogado e entrou no ramo da agricultura recentemente, tanto que essa colheita foi sua primeira experiência no campo. Ele contou com o apoio de técnicos e serviços da Secretaria de Agropecuária durante todo o processo, desde a escolha da área para plantio, o tipo de milho mais apropriado para o clima local, a preparação do solo, os melhores métodos de pulverização e adubação, o fornecimento de maquinário, até o corte para a produção de silagem.
O agricultor procurou a pasta para apresentar os resultados obtidos e agradecer a parceria. “Encarei como um desafio pessoal desenvolver um trabalho no ramo da agricultura. Não tenho dúvidas de que os serviços disponibilizados por intermédio da Secretaria foram determinantes para o sucesso dessa plantação”, ressaltou.
O secretário de Agropecuária, Marcos Roberto Fialho, o resultado obtido nesta propriedade demostra a importância de um acompanhamento técnico qualificado e responsável. Para ele, “o depoimento do produtor Henrique é um incentivo para que outros produtores procurem a Secretaria. Temos uma equipe multidisciplinar à disposição para assessorar os produtores no que for preciso, além de programas específicos como o ‘Programa de Mecanização Agrícola’, que disponibiliza empréstimo de máquinas e equipamentos”.
Ainda na propriedade do Henrique, a Secretaria iniciará agora um trabalho de recuperação do solo com o método de rotação de culturas, proposto pela recém criada Divisão de Agroecologia, vinculada à pasta da Agropecuária. O coordenador da divisão, Ramon do Carmo, explicou que o objetivo deste novo serviço é auxiliar os produtores no sentido de optar por práticas de produção que não agridem o meio ambiente.
Comentários