A nova sede do Centro Educacional e Ação Social São Sebastião – Creche Cantinho Feliz, situada na Rua Maria das Neves Costa Amaral, 399, no Bairro Inácio Martins (Grota dos Camilos), terá capacidade para atender de 200 até 250 crianças, após a conclusão da obra. No último sábado, voluntários se uniram para o enchimento da laje da rampa de acesso ao segundo pavimento.

A construção, patrocinada por doações de pessoas física e jurídica, no âmbito público e particular, teve uma grande contribuição logo no início, quando a Central Geral do Dízimo (CGD), por intermédio da Associação Pró-Vida de Pará de Minas, doou toda a ferragem necessária para o empreendimento.

Apesar da presença de voluntários no mutirão, a construção em si depende de mão de obra especializada e, assim, cinco pessoas, incluindo oficial de pedreiro, pedreiro, carpinteiro, armador e servente, trabalham continuamente na obra. Para manter o pessoal é que o empreendimento depende de contribuição de terceiros para ter continuidade.

A diretora da creche, Tânia Pinheiro de Souza, informou que as pessoas que quiserem contribuir o poderão fazer em depósito na conta da entidade no Basnco do Brasil (conta nº 25793-1, ou na Caixa Econômica Federal (Conta nº 042-3). Quem optar pela doação de material (pedra, cimento, areia, tijolos, material elétrico e hidráulico, entre outros). Podem adquirir os produtos nas empresas de preferência e passar o recibo para a creche, para que o material seja requisitado de acordo com a necessidade e o andamento das obras.

A sede atual da creche, fundada em 17 de fevereiro de 2005, funciona na mesma rua (nº 98), e atende atualmente 126 crianças na faixa etária de 6 meses a 4 anos, no horário de 8h às 17h, servindo quatro refeições diárias. Todas as crianças são atendidas de graça, sem nenhum gasto por parte das famílias. Tânia informou que para atender a demanda, a creche conta com 19 funcionários, além de voluntários.

A diretora informou ainda que, as pessoas que quiserem fazer qualquer tipo de doação, ou apenas conhecer o trabalho que lá é realizado, podem entra em contato com ela ( 98503 2269), Neuza Catarina (3891 3035) ou Haroldo Pinheiro – Haroldinho (99976 1041)

CGD

Fundada pelo Dr. Celso Charuri, há 29 anos, a Central Geral do Dízimo – Pró-Vida, é um instituto com sede central em São Paulo, SP, e se propõe a conduzir interessados a uma integração cósmica. Nos diversos locais em que a PRÓ-VIDA mantém atividades, que são promovidas e coordenadas pela Associação  PRÓ-VIDA, há núcleos de participantes que, de maneira espontânea e voluntária, organizam-se em associações locais independentes e autorizadas, denominadas Associações Dr. Celso Charuri – pessoas jurídicas sem fins lucrativos, constituídas para a manutenção de sedes e pontos de encontro para a realização de atividades da PRÓ-VIDA, e especialmente credenciadas para funcionarem como tais.

A CGD tem como missão institucional centralizar o recebimento do dízimo – 10% do ganho de colaboradores –, na forma de depósitos facultativos e anônimos em sua conta bancária, e destinar todos os seus recursos para beneficiar entidades que exerçam atividades assistenciais, promovendo, assim, a valorização e a recuperação do ser humano.

A entidade realiza periodicamente doações de bens e gêneros (não faz doação de dinheiro), necessários para o cumprimento de seus propósitos, a organizações de assistência social sem fins lucrativos, de todo o território nacional, focadas na provisão de necessidades de seguridade humana, projetos de proteção social básica, saúde e educação, não fazendo distinção entre as pessoas a serem beneficiadas em função da nacionalidade, ideologia política, idade, raça, sexo ou religião.

Em razão de seu objetivo de doar, a Central Geral do Dízimo – PRÓ-VIDA não solicita nem recebe auxílios e subvenções, públicas ou privadas, de qualquer espécie. Também não tem despesas: todo o trabalho é voluntário, e todas as instalações, equipamentos e material administrativo ou de manutenção são igualmente doados por seus colaboradores. Cem por cento do que recebe é destinado a doações.

Comentários