Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

12/04/2013

 O Judiciário acolheu a ação do Ministério Público e sentenciou o Município de Viçosa a “caçar” todas as licenças de táxis concedidas irregularmente, bem como fazer um processo de concorrência pública para outorga dessas licenças.

“Esses são os fatos, não há como alterar aqui a decisão da justiça, não nos cabe no momento esse passado, o que aconteceu de 2004 até a sentença”, afirma a Vice-Presidente da Câmara, Marilange Pinto Coelho (PV).

A Audiência teve como autor do requerimento o Presidente da Casa, Luís Eduardo Figueiredo Salgado (PDT), mas foi a Presidente em exercício quem conduziu os trabalhos.

O projeto de lei 97/2012 visa regulamentar o serviço de transporte público individual de passageiros para que o Município possa abrir o processo de concorrência.

A proposta da Casa foi uma profunda averiguação do processo e trazer para a população o conhecimento do mesmo, para que todos possam discutir e apresentar suas opiniões e ideias.

A Comissão de Constituição, Justiça e Redação, presidida pelo Vereador Alexandre Valente Araújo (Xandinho do Amoras) (PSD) ainda não deu parecer ao Projeto, pois “uma análise é necessária para saber a legalidade e a constitucionalidade do mesmo”, salienta o presidente, e a sua decisão será estabelecida quando for colocado em votação.

Alexandre demonstrou empenho na causa “quando esse projeto voltar a Comissão vamos analisar artigo por artigo da melhor forma possível para todos os envolvidos.”

 A ação movida contra o Município

Viçosa como a maioria dos Municípios brasileiros sempre concedeu as licenças para os taxistas, popularmente conhecidas como placas de táxis. Em 2004, o Ministério Público moveu uma ação civil pública contra o Município de Viçosa e demais cidades, Cajuri, Canaã, Coimbra, São Miguel do Anta e Paulo Cândido, ações com o mesmo princípio também foram ganhas em inúmeros Municípios mineiros. O processo passou nas três instâncias até chegar ao Supremo Tribunal  de Justiça (STJ).

A ação proposta pelo Ministério Público traz dois pedidos: a cassação de todas as licenças de táxis concedidas sem prévio processo de licitação pública e que o Município conceda as licenças mediante um processo de licitação na modalidade de concorrência pública.

O Presidente da Associação de Taxistas, Raimundo Galdino Rodrigues, fez alguns questionamentos sobre o tempo de licitação que esta no projeto atual, ressaltando que “O tempo de dez anos é muito pouco, temos que ter mais tempo”.

Para o Vereador Idelmino Ronivon (Professor Idelmino) (PC do B) “o processo licitatório tem que ser feito. O que vamos fazer é um projeto que atente a necessidade de cada taxista, temos que ter um estudo do número de táxis que a cidade precisa, para não colocar o número excedente, fazer um estudo e decidir o melhor tempo do contrato”.

O Promotor de Justiça de Viçosa, Spencer dos Santos Ferreira Júnior, se manifestou: “o direito que vocês dispunham era precário, vocês tinham uma permissão, uma autorização para explorar uma atividade econômica que poderia ser revogada pelo poder público há qualquer momento. O direito que vocês tinham vai ser regulamentando, a licitação permite que os senhores explorem o serviço de forma segura.”

E salientou que esse processo já existe há anos e o Município já teria que ter realizado sem precisar de uma ação judicial: “o Município antes de acatar a ordem judicial, deveria cumprir a Constituição Federal, a constatação dá não prestação do serviço de táxi pelo Ministério Público é de 2004. O Ministério Público está aqui para que se faça valer a Constituição Federal e as leis, espero que os senhores compreendam que nada está sendo feito contra o senhores, mas sim em prol de toda a coletividade.”

A Presidente em Exercício, Marilange Pinto Coelho, solicitou que fosse registrado em Ata o convite  para a criação de uma Comissão Provisória dos taxistas para participarem de todas as reuniões sobre o tema.

Estiveram na Mesa Principal (foto da esquerda para a direita): o Diretor do Instituto de Planejamento do Município (IPLAM), Luís Carlos D’Antonino, o Procurador Geral do Município, Bento Eustáquio de Abreu Chiapeta, o Promotor de Justiça de Viçosa, Spencer dos santos Ferreira Júnior, o Presidente da Associação de Taxistas, Raimundo Galdino Rodrigues, os Vereadores Marilange Pinto Coelho, o Secretário da Mesa Diretora, Lidson Lehner (PR) e Idelmino Ronivon, que secretariou os trabalhos.

Os Vereadores Sávio José (PT), Paulo Roberto Cabral (Paulinho Brasília) (PPS), Alexandre Valente, Geraldo Luis Andrade (Geraldão) (PTB), também estiveram presentes.

 

Deixe uma resposta

Comentários