Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

funasa-1 A Prefeitura de Viçosa está intensificando a campanha de combate ao mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue, uma vez que, em época de chuvas, há uma crescente ameaça da doença, por favorecimento de criadouros.

O maior número de focos é encontrado em caixas d’água, pneus, baldes, latas, embalagens pet, lona, brinquedos e utensílios domésticos velhos, mas os pratinhos e vasos de plantas são os casos mais registrados. Por isso, simples ações como tampar os depósitos e eliminar recipientes que acumulem água, além de remover o lixo, são o suficiente para evitar a reprodução do mosquito.

A prevenção e controle da dengue dependem apenas do combate ao vetor. A participação ativa da comunidade é essencial para a eliminação do criadouro do mosquito.  Como existem pessoas que não tem consciência do risco que ameaça toda a comunidade, a solução são as denúncias e notificações que podem ser feitas pelo telefone (31) 3892 6430 Programa Municipal de Controle de Endemias (PMCE)/(FUNASA).

Agentes dificuldades

 

A médica Veterinária Karen Cristina Gonçalves Lopes, da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Viçosa informou que os Agentes de Controle de Endemias (ACE’s) frequentemente encontram dificuldade em ter acesso ao interior dos imóveis para realizar o trabalho de prevenção e combate à dengue. Muitas vezes os moradores recusam-se a receber a visita do agente por medo, vergonha, falta de tempo, enfim, vários motivos que impedem que o trabalho seja realizado dentro daquele local. Além das recusas, outro obstáculo são as casas fechadas, onde não se encontram moradores no momento da visita.

O Programa Municipal de Controle de Endemias (PMCE) tem registrado elevados índices de imóveis pendentes (por motivo de recusa ou por não haver morador em casa), que algumas vezes chegam a mais de 30% do total de imóveis do município. Este índice elevado prejudica o trabalho de controle da dengue, pois não se tem conhecimento da situação destes locais pendentes (se possuem focos do mosquito Aedes Aegypti ou não).

“Pedimos a cada morador que, caso haja qualquer dúvida em relação ao agente que está trabalhando nas proximidades de seu imóvel, ligue para o telefone do Programa Municipal de Controle de Endemias para esclarecimento, mas que não recuse a visita do Agente de Controle de Endemias, afinal, é para o bem de todos, principalmente o seu”, finalizou Karen.

SEMANA DA ATITUDE

A Semana da Atitude foi realizada em Viçosa no período de 21 e 26 de outubro último. O evento consistiu em uma atividade de mobilização voltada para o combate à dengue. Com o retorno das chuvas, aumenta a preocupação pois há maior possibilidade de novos casos da doença. Para evitar que a cidade enfrente no final deste ano ou no início do próximo ano a mesma situação de surto enfrentado nos primeiros meses de 2013, é necessário uma ampla divulgação das medidas que podem ser adotadas para evitar que o mosquito se desenvolva.

Durante a Semana da Atitude houve panfletagem com distribuição de material educativo voltado para o controle do Aedes aegypti e demonstração do ciclo deste mosquito, o transmissor da dengue, em diversos pontos na área urbana de Viçosa e também dentro da UFV. O objetivo desta mobilização foi estimular os cidadãos a descartarem materiais sem utilidade como, por exemplo, garrafas, pneus, latas, entulhos, enfim, todo o tipo de lixo que possa ser encontrado nas residências e também nos locais de trabalho, que tem potencial para se tornarem criadouros do “mosquito da dengue”. Houve também participação em programa de televisão e na reunião do Conselho Municipal de Saúde para tratar sobre a dengue.

Na sexta-feira (25/10), os Agentes de Controle de Endemias participaram de um curso sobre a biologia do Aedes aegypti oferecido pelo professor do curso de Ciências Biológicas da UFV, Gustavo Martins.

Este evento foi realizado pela Comissão Força Tarefa Contra a Dengue – integrada por profissionais da UFV e da Secretaria Municipal de Saúde – e contou com a colaboração dos Agentes de Controle de Endemias, do SAAE-Viçosa e do Grupo Escoteiro Viçosa.

Deixe uma resposta

Comentários