Compatilhe esta publicação:

Twitter Facebook Google+

Violência sexual contra mulher é tema de Audiência Pública Na última quinta-feira (01), foi realizado na Câmara Municipal a Audiência Pública que tratou do atendimento de mulheres em situação de violência sexual em Viçosa e da criação e implantação do Protocolo de Atendimento à Violência Sexual contra as Mulheres, sendo um pedido dos Vereadores Sávio José (PT), Marcos Nunes (PT) Idelmino Ronivon (Prof. Idelmino) (PC do B) por meio do requerimento de nº 047/2013.

O Vereador Sávio José foi quem presidiu a Audiência. Ele explicou a ausência do Vereador Marcos Nunes que estava em viagem e lamentou a ausência dos representantes da Polícia Civil e da Polícia Militar.

O Vereador Sávio José iniciou a Audiência ressaltando a importância dessa etapa dos trabalhos e salientou que a participação de todos é fundamental para que o protocolo se torne uma realidade. “Esta Audiência Pública é só mais um passo na construção deste protocolo, os agentes, as instituições, as trabalhadoras envolvidas estão trabalhando no protocolo desde janeiro. Este encontro é fruto do trabalho dessas pessoas, estamos aqui para dar publicidade, para dar apoio e para construir essa etapa importante do enfrentamento a violência sexual contra a mulher”.

O Vereador Idelmino salientou que a cidade precisa avançar na questão do amparo a mulher. “Que elas possam ser respeitadas dentro daquilo que é legítimo com relação à violência sexual. Temos que criar condições para que possam ser devidamente atendidas, pois nós sabemos o quanto isso é complicado. Hoje vamos avançar profundamente nesta questão, para chegarmos ao desafio maior que é colocar o protocolo para funcionar”.

A Secretária Executiva do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Cristiane Magalhães exibiu uma apresentação pontuando os principais empecilhos no caminho para o atendimento das mulheres em situação de violência sexual no Município. “O atendimento exige uma agilidade maior, porque as mulheres que sofreram a violência têm que ser medicadas até 72 horas depois do ocorrido, devido a doenças sexualmente transmissíveis e gravidez”. E finalizou dizendo que “o atendimento policial e jurídico também devem ser rápidos”.

Os principais apontamentos dos problemas nos atendimentos dos casos de violência contra a mulher foram: demora e despreparo das instituições e dos profissionais para o acolhimento e atendimento; falta de protocolos internos e de uma rede para atender os casos; questionamentos de cunho moral e discriminatório; o não atendimento por parte de alguns profissionais; falta de medicamentos e administração inadequada dos mesmos pela unidade de saúde referencial; a falta de estrutura física e pessoal para realização dos atendimentos e monitoramento dos dados; falta de agilidade no atendimento pelas polícias; falta ou insuficiência do serviço de perícia; inexistência de serviços de apoio à urgência que proporcione condições da mulher se alimentar ou mesmo se hospedar quando for necessário o afastamento da mesma de seu lar; dificuldade para obtenção de liberação para realização de exames; inexistência de anticoncepcionais de emergência nas unidades de referência entre outros problemas citados.

A representante do Hospital São Sebastião, Enfermeira Chefe Terezinha Moura falou sobre a falta de medicamentos e das dificuldades enfrentadas no hospital na realização desse tipo de atendimento. “O governo Federal e o Estadual não nos dá os requisitos básicos para esses atendimentos. Nós temos médicos, enfermeiros e psicólogos que podem realizar esses tipos de atendimento, mas a complementação deixa a desejar, porque nós tivemos a capacitação para isso. No entanto, na hora de dar os insumos eles não chegam.” E finalizou dizendo “que alguns profissionais acabam por não prestar o atendimento por acharem que não são peritos eles não podem fazer o corpo delito e isso pode ocasionar em alguma implicação legal e a demora em conseguir os medicamentos são alguns dos entraves para o atendimento”.

O Juiz da Vara Criminal da Comarca de Viçosa, Omar Gilson de Moura Luz em sua fala pontuou algumas questões que levam aos poucos processos julgados por ele até o momento. “Há uma série de fatores que inibem a condenação e essas falhas e defeitos decorre da má formação do inquérito, da ineficácia material da polícia civil e do desprestígio de Viçosa, porque dependemos de Ubá e não temos um IML.”

A Secretária de Saúde, Rita Gomide ressaltou que “esse é um momento ímpar para que nossa rede funcione de maneira integral e que não haja fragmentação na continuidade dos atendimentos”.

A representante do Protocolo Municipal de Atenção às Mulheres em Situação de Violência, Ana Pereira dos Santos explicou a importância da criação do protocolo, para sanar os problemas enfrentados no processo de atendimentos das vítimas de violência sexual. “O protocolo contempla uma formação participativa e para que os atendimentos sejam feitos de forma padronizada que esse documento seja encaminhado para a Câmara como um projeto de lei de iniciativa popular.”

Foram feitos os seguintes encaminhamentos: que sejam elaboradas medidas protetivas eficazes para o atendimento às mulheres que sofrem violência; garantia do atendimento durante a noite e nos feriados às mulheres violentadas; facilitação do processo judicial para o atendimento às mulheres violentadas e a obrigatoriedade do exame clínico dos agressores; além da elaboração de um projeto de lei com a participação popular, por meio de uma comissão e um fórum permanente. Outras solicitações como a obrigatoriedade de atendimento médico; divulgação das políticas e informações sobre a violência contra a mulher na zona rural; solicitação da participação efetiva da classe médica via associação ou conselho e a disponibilidade dos medicamentos foram sugeridas.

Além de uma reunião, com o Poder Executivo e que a Câmara se comprometesse no que compete a ela para a elaboração do Protocolo.

 

Estiveram presentes, além dos já citados, A Defensora Pública, Ana Flávia Soares Diniz; a Chefe da Secretaria Municipal de Políticas Pública, Suely Santos Carvalho; os Vereadores Luis Eduardo Figueiredo Salgado (PDT), Edenilson José Oliveira (PMDB), Geraldo Deusdedit Cardoso (Geraldinho Violeira) (PSDC), Geraldo Luis Andrade, (Geraldão) (PTB), Helder Evangelista (Cheirinho) (PHS), Marilange Pinto Coelho (PV).

Deixe uma resposta

Comentários